Deputado ligado à Universal diz haver consenso pela saída de Pazuello

Apesar de apoiar o presidente Jair Bolsonaro, membros da bancada evangélica do Congresso Nacional apoiam a saída do ministro Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde. Pazuello pode deixar o governo nos próximos dias, em prol de uma unidade com o Poder Legislativo. O deputado federal Aroldo Martins (Republicanos-PR), bispo licenciado da Igreja Universal, disse ao Congresso em Foco nesta segunda-feira (15) que “existe um consenso” entre a bancada na Câmara de que é preciso uma mudança na pasta com urgência.

“É difícil ser ministro do presidente Bolsonaro em qualquer pasta, mas na Saúde é diferente”, afirmou o parlamentar. Segundo ele, é preciso que o Brasil tenha um líder no ministério que entre em consenso quanto a importância da prevenção à covid-19 no Brasil. “Nós precisamos que se desenvolvam hábitos higiênicos que possam ajudar a menor proliferação do vírus”, acrescentou.

De acordo com o deputado, o principal erro de Pazuello na gestão da Saúde foi ter “deixado passar” os prazos de vacinação. “O Brasil não poderia ter deixado os prazos passarem, estamos agora atrás em número de pedidos [de vacinas], que poderiam ter sido feitos antes”, alegou Martins. No entanto, ele garantiu que a bancada evangélica da Câmara está “fechada” com o presidente Jair Bolsonaro.

“Não necessariamente concordamos com tudo que ele [Jair Bolsonaro] faz, somos uma bancada independente, mas altamente apoiadora das pautas de costumes, e de apoio ao presidente da República”, ressaltou o deputado.

Nesta segunda-feira, o presidente Bolsonaro se reuniu com lideranças evangélicas, como o pastor Silas Malafaia, presidente do CIMEB (Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil).

O Congresso em Foco não conseguiu contato com o pastor, mas fonte ligada à bancada confirmou ao site que o tema do encontro é o fechamento dos templos religiosos durante a pandemia. Os evangélicos estão preocupados com os decretos municipais que vetam o funcionamento das igrejas.

> No pico da pandemia, Bolsonaro recebe Malafaia para discutir abertura de templos

Continuar lendo