Entidades médicas afirmam que não há “tratamento precoce” para covid-19

A Associação Médica Brasileira (AMB) e a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) divulgaram uma nota nesta terça-feira (19) afirmando que as "melhores evidências científicas demonstram que nenhuma medicação tem eficácia na prevenção ou no 'tratamento precoce' para a covid-19 até o presente momento".

Confira aqui na íntegra:

As entidades dizem ainda que atualmente, "as principais sociedades médicas e organismos internacionais de saúde pública não recomendam o tratamento preventivo ou precoce com medicamentos, incluindo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), entidade reguladora vinculada ao Ministério da Saúde do Brasil".

Hoje, segue a nota, os brasileiros representam 10% dos óbitos por covid-19 no mundo. "Precisamos mudar esta triste realidade. A caminhada de controle da pandemia ainda será longa. Por isso, precisamos manter, mesmo com o início da vacinação, o uso correto de máscara, distanciamento físico e higienização frequente das mãos".

Já o Conselho Federal de Medicina (CFM) mantém as orientações descritas em seu Parecer nº 4, de 16 de abril de 2020 (íntegra aqui), onde propõe considerar o uso dos medicamentos sem comprovação de eficácia em casos determinados.

Por meio de nota, o CFM admite, porém, que até o momento, “não existem evidências robustas de alta qualidade que possibilitem a indicação de uma terapia farmacológica específica para a covid-19. Desde o final de 2019 existem dezenas de medicamentos em testes, e muitos dos resultados desses estudos estão sendo divulgados diariamente. Muitos desses medicamentos têm sido promissores em testes em laboratório e através de observação clínica, mas nenhum ainda foi aprovado  em ensaios clínicos com desenho cientificamente adequado, não podendo, portanto, serem recomendados com segurança”.

> Associação Médica alista voluntários contra covid: “O futuro é sombrio”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!