Eles tinham histórico de atleta. E morreram de covid-19

A covid-19 tem vitimado atletas brasileiros. Nesta quinta-feira (08), a campeã da corrida de São Silvestre - a mais importante corrida de rua do Brasil - perdeu a vida por complicações do coronavírus. Roseli Aparecida Machado tinha 52 anos e morreu após ficar duas semanas intubada.

Os números de esportistas que estão morrendo durante a pandemia coloca em xeque o discurso negacionista do presidente Jair Bolsonaro. Em abril do ano passado, o dirigente do Planalto disse que a chance de o atleta morrer é “infinitamente” pequena.

Na ocasião, em defesa da retomada do futebol brasileiro, Bolsonaro isentou os jovens do agravamento da infecção justificando que “por serem jovens e com boas condições físicas”, o risco de letalidade seria menor.

Anteriormente, no mês de março, em pronunciamento em rede nacional, o presidente afirmou que “nada sentiria” se fosse infectado pela covid-19 por ter “histórico de atleta”, teria no máximo “uma gripezinha ou resfriadinho”. 

Recentemente, um dos seus aliados na política, o ex-professor de educação física e atleta de Decatlo, senador Major Olimpio, 58,  não resistiu aos agravamentos da covid-19. O parlamentar também fez parte da Academia do Barro Branco da Polícia Militar de São Paulo. O presidente Bolsonaro não se pronunciou sobre o falecimento do senador.

Triatleta

Fábio Torrecillas, triatleta de 40 anos, morreu no último dia 20 com complicações em decorrência da covid-19, em Maringá, no Paraná. O atleta havia conseguido completar por três vezes seguidas o Ironman Brasil, maior circuito de triatlo da América Latina. Antes de ser diagnosticado com a covid, se preparava de seis a oito horas por dia para a travessia do Leme ao Pontal - mais de 30 quilômetros de natação.

Outros profissionais de modalidades esportivas que sobreviveram à infecção relataram o sofrimento durante os dias que enfrentaram a doença. O jogador de basquete, Leandro Barbosa, conhecido como Leandrinho, de 37 anos,  disse ter pensado que “iria morrer” ao encarar os sintomas da covid-19.

Nadador com capacidade pulmonar para ganhar medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2012, o atleta Cameron van der Burgh, relatou ter enfrentado dificuldades no tratamento quando contraiu a covid-19.

É, de longe, o pior vírus que já encarei, apesar de ser um indivíduo saudável com pulmões fortes e  viver um estilo de vida saudável e ser jovem”, disse na época em suas redes sociais.

O Brasil já registra 341 mil mortes de brasileiros pela covid-19. Na terça-feira (06), o Ministério da Saúde registrou 4.195 casos de mortes por coronavírus em 24 horas. Ontem (07), foram registradas 3.829 novas mortes no país.

Continuar lendo