Decifra-me ou devoro-te: o dilema da oposição

Elimar Pinheiro do Nascimento*

Por que um presidente que é chamado de irresponsável, incompetente, psicopata, errático, acéfalo, imbecil, negacionista, insano, entre outros tantos termos pejorativos por meio dos grandes meios de comunicação, mantém um alto grau de aprovação? Sem citar o termo generalizado de antidemocrático.

A oposição política ainda não entendeu onde reside o enigma do prestígio presidencial, que acaba de ter uma vitória acachapante sobre a oposição nas eleições para a direção do Congresso. Tende a menosprezá-lo. Sem entender esta questão é impossível derrotá-lo. Continuará paralisada, inoperante.

Alguns oposicionistas argumentarão que sua queda é eminente com o término dos benefícios emergenciais (será?), o crescimento do desemprego, a lentidão e inoperância no combate à pandemia, a pouca recuperação econômica, a derrota eleitoral de Trump e os desmantelos oratórios de seus ministros, para não citar os seus. Somados ao escândalo de Manaus e a derrota para Doria, em
começar a vacina.

Com a diferença de contexto (derrota de Trump e crise em Manaus), esses mesmos argumentos estavam presentes na maioria dos analistas em início de 2020. Naquele momento falava-se, inclusive, em impeachment. Como hoje. O resultado? O presidente chegou melhor posicionado no final do ano. Verdade que sua popularidade, recentemente caiu do patamar de 40% para o de 30%.

Entretanto, um número extraordinário para dois anos de pouca entrega e muitas perdas: desemprego acima de 14% e mais de 200 mil mortos pela pandemia. São números impressionantes. Seu desprezo pela pandemia e seus mortos, suas incoerências e descoordenações em tratar da maior crise sanitária que o país já conheceu, são notórias. Porém, menos de 10% o julga culpado pelas mortes advindas da pandemia, divergindo do ex-presidente da Câmara e da opinião dos grandes veículos de comunicação.

É como se o país vivesse em dois mundos distintos. Em um, o presidente é um herói, um “mito", no outro, é um vilão. Dois mundos não comunicantes entre si. Não importa se o presidente teve uma pequena queda nas últimas pesquisas, pois os números de aprovação ainda são muito altos. As respostas desenhadas até o momento sobre essa popularidade em situação tão anacrônica são pífias:

a) líder do setor conservador, majoritário na sociedade; b) sentimento anti PT dominante em setores médios urbanos; c) identificação com os termos grosseiros e valores antiquados dos brasileiros médios (machistas, racistas e violentos).

A questão é, por que outros políticos, também conservadores, não conseguiram e não conseguem atrair a simpatia da maioria dos conservadores, como Alckmin, Moro, Mandetta e Doria, por exemplo. Todos estes também antipetistas. Por outro lado, os brasileiros médios, se existe esta categoria assim desenhada, estavam presentes nas eleições anteriores de FHC, Lula e Dilma. Não pesaram nas eleições?

Há algo a mais na personalidade do presidente, e sua comunicação com a sociedade, para ele gozar de tanta simpatia e credibilidade. Não se pode esquecer que durante quase três décadas foi um deputado medíocre, desconhecido. E agora, surpreende como um político carismático. Talvez, antropólogos, psicanalistas e especialistas em comunicação deveriam estar presentes, mais do que os cientistas políticos, na tentativa de decifrar este enigma.

E ele é essencial, porque provavelmente não bastará a oposição construir um candidato de consenso, com simpatia. Algo extremamente difícil. Será necessário desconstruir o adversário. E isso não será possível com a crítica de que se trata de um personagem desqualificado. Esta crítica foi aventada em 2018 quando se disse que ele não sabia nada de economia. Qual foi a resposta? “Sim, não sei, o presidente não pode saber tudo, mas escolherei alguém muito competente.”

A reação de parte importante da população foi de aplauso: este é um homem sincero e competente, vai indicar alguém qualificado.

Não se pode esquecer que os epítetos hoje utilizados contra ele não têm, aparentemente, atingido em nada sua imagem de “mito”. Portanto, a oposição está diante de um dilema. A proposta de impeachment é inconsistente e inalcançável. Ela necessita de ter outro discurso, e este só pode
surgir do entendimento deste enigma. Provavelmente será preciso decifrá-lo, para ter alguma chance de vitória em 2022.

*Elimar Pinheiro do Nascimento é sociólogo político e socioambiental. Professor permanente do programa de Pós-graduação de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília e do programa de Pós-graduação Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos do autor.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!