Eduardo Campos e a fragilidade da vida

O desastre que vitimou Eduardo Campos atinge todos nós. Conheci Eduardo na Câmara dos Deputados e pude conviver com sua empatia, orgulho pela luta política do avô (Miguel Arraes) e ideal socialista, ainda que com concepção bem distinta da nossa.

Também tenho afável relação humana com sua mãe, Ana Arraes, e posso imaginar a terrível dor dela e dos demais familiares e amigos de Eduardo. Foi em um mesmo 13 de agosto, há nove anos, que o velho Arraes nos deixou. Numa perspectiva de fé, que talvez conforte pouco nesta hora, a coincidência temporal produz o reencontro de eternidade.

A vida é frágil e, por isso mesmo, precisa ser guiada por valores que a ultrapassam.

Minha solidariedade e do Psol à família de Eduardo Campos, aos seus muitos amigos e ao PSB.

Fora Arruda e toda a máfia

O Psol ainda é um partido pequeno, mas com vocação de grandeza, por mais que a grande mídia não dê a devida importância às nossas ações. E foi assim no Distrito Federal esta semana: por meio de ações ajuizadas pelo Psol e defendidas pelo nosso candidato ao Senado no DF, Aldemario Araújo, as candidaturas de Arruda, ao governo, e Jaqueline Roriz, à Câmara Federal, foram indeferidas no TRE-DF pelo envolvimento de ambos no mensalão do DEM.

Esse acontecimento apresenta um grande avanço na política de Brasília, na medida em que, devido ao atual descrédito com o atual governo do Distrito Federal, Arruda se apresentava como uma "alternativa às avessas". O Psol, por meio da sua ação no Judiciário, deu voz à indignação daqueles que se envergonhavam com essa candidatura e que exigem mudanças na política local. Seguiremos agora, e como sempre, nas ruas construindo uma real alternativa para o DF, por mais direitos e por mais ética na política!

 

Mais sobre Eduardo Campos

Mais sobre eleições 2014

Assine a Revista Congresso em Foco em versão digital ou impressa

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!