“Só devem ter preocupação os aliados do vírus”, diz Renan Calheiros

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), e o vice-presidente, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentaram nesta quinta-feira (29) o plano de trabalho da comissão. Leia aqui a íntegra do plano.

"Nós investigaremos tudo o que for necessário investigar [...] Só devem ter preocupação os aliados do vírus", frisou o relator.

De acordo com Renan, o texto é apenas um roteiro e, por isso, não precisará ser levado à votação da comissão. "Este Plano de Trabalho não pretende apontar aonde chegaremos com a apuração. Ele é um ponto de partida, uma linha inicial de investigação, que, naturalmente, será incrementada e enriquecida pelos depoimentos, perícias, estudos e documentos oficiais que serão reunidos ao longo do trabalho dessa CPI", diz o documento.

O plano indica como linhas gerais das investigações:

  1. ações de enfrentamento à pandemia (vacinas e outras medidas para contenção do vírus);
  2. assistência Farmacêutica (Insumos para tratamento de enfermos);
  3. estruturas de Combate à Crise (Atribuição de responsabilidades e competências);
  4. colapso da saúde no Estado do Amazonas;
  5. ações de prevenção e atenção à saúde indígena;
  6. emprego de recursos federais.

Mais cedo, a CPI aprovou dezenas de requerimentos de informação e a convocação dos quatro ministros da Saúde que comandaram a pasta na pandemia: o atual, Marcelo Queiroga, e ainda Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello.

De acordo com os senadores, a aprovação de novos requerimentos e convocações nas próximas semanas balizarão o rumo das investigações. Porém, Randolfe esclareceu: "Não faremos dessa a CPF do fim do mundo que não chega a mundo algum".

Inicialmente, não serão criadas subrelatorias. "O problema da subrelatoria é uma dispersão para mudar o foco da CPI", afirmou Renan.

Interferências do governo

Questionado sobre as denúncias de que parte dos requerimentos apresentados à CPI foram produzidos dentro do Palácio do Planalto, Renan lamentou o episódio e reiterou que é algo nunca antes visto na história das comissões parlamentares de inquérito.

"Agora, nós podemos assegurar: algo que nós não admitiremos é que essa CPI sofra interferência externa", complementou o vice-presidente. Randolfe afirmou também que a CPI é um instrumento de investigação do Congresso e disse esperar que "esse triste episódio encerre pretensões inadequadas".

Veja a declaração dos senadores:

> De caixão vazio a chip da vacina: as fake news que a CPI quer investigar

> Lewandowski nega pedido de afastamento de Renan da CPI da Covid

Continuar lendo