Renan ironiza nova estratégia do governo em CPI: “Melhor que tentar interferir”

Considerado o grande favorito para relatar a CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) ironizou a estratégia do governo de listar os 23 pontos relacionados à pandemia que mais preocupam o Palácio do Planalto com o decorrer das investigações.

Em entrevista ao Congresso em Foco, o emedebista disse que é melhor o governo traçar estratégias de defesa do que tentar intervir em outros Poderes.

“Considero uma boa iniciativa, assim o governo gastará melhor suas energias, treinando o pessoal. É mais recomendável fazer isso do que continuar tentando interferir nos Poderes, tentando influir nas bancadas, delongando a instalação da comissão, tentando mudar a correlação do Tribunal de Contas com a nomeação de novos ministros, judicializando suspeição indevida”, afirmou o senador, que virou um dos principais críticos do governo Bolsonaro no Senado.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com [email protected].

A lista elaborada pela Casa Civil foi entregue a diversos ministérios como preparativo para enfrentamento na CPI. A instalação da comissão está marcada para as 10h de amanhã, quando o senador Omar Aziz (PSD-AM) deve ser eleito presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente, e Renan deve ser confirmado como relator.

O senador alagoano tem reclamado das tentativas do governo de impedir sua relatoria. Segundo ele, governistas estão "apavorados" com a confirmação de seu nome à frente da relatoria.

> Lira diz que CPI é “perda de tempo” e vai priorizar reformas

Continuar lendo