PSL avança em processo de expulsão de deputados que apoiam Lira

A Executiva Nacional do PSL acatou nesta terça-feira (12) a representação aberta contra 20 deputados da ala do partido ligada a Jair Bolsonaro. Entre os alvos estão o terceiro filho do presidente, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

De acordo com o deputado Júnior Bozzella (PSL-SP), autor da representação, amanhã (13) o Conselho de Ética do partido vai se reunir para dar o parecer e a defesa dos acusados terá cinco dias para se manifestar. O parecer precisará ser analisado pela Executiva Nacional e pelo Diretório Nacional do PSL.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

A ação acontece após 32 deputados do PSL assinarem uma lista de apoio ao candidato a presidente da Câmara Arthur Lira (PP-AL), também apoiado por Bolsonaro. A cúpula do PSL defende o apoio a Baleia Rossi (MDB-SP), candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Se as expulsões forem confirmadas, o PSL terá maioria para compor o bloco de Baleia Rossi. O partido está rachado desde o final de 2019, quando Bolsonaro se desfiliou da legenda após uma disputa de influência partidária com o Luciano Bivar (PSL-PE).

São alvos dos processos os deputados Ale Silva, Aline Sleutjes, Bia Kicis, Bibo Nunes, Carla Zambelli, Carlos Jordy, Caroline de Toni, Chris Tonietto, Coronel Tadeu, Daniel Silveira, Eduardo Bolsonaro, Filipe Barros, General Girão, Guiga Peixoto, Helio Lopes, Junio Amaral, Major Fabiana, Marcio Labre, Sanderson e Vitor Hugo.

> Baleia nega receio com traições e prega confiança em partidos aliados

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!