Ministério Público do Rio pede prisão preventiva de Flordelis

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro pediu nesta sexta-feira (13) a prisão preventiva da ex-deputada federal Flordelis, que teve o mandato cassado pela Câmara na última quarta (11).

No pedido, o MPRJ destaca que, ao longo do processo, ficou claro que a liberdade de Flordelis colocava em risco tanto a instrução criminal quanto a aplicação da lei penal e que, mesmo sendo cabível e necessária sua prisão preventiva, a decretação só não foi possível devido à imunidade parlamentar.

A prisão da ex-deputada já havia sido solicitada pelo advogado Angelo Máximo, que representa o pai do pastor Anderson do Carmo, assassinado em junho de 2019. Flordelis é acusada de ser a mandante do crime.

O documento também afirma que Flordelis orientou os participantes do crime a localizarem o celular da vítima e a apagarem as "mensagens comprometedoras", além de queimar roupas com "possíveis vestígios forenses".

Com tornozeleita eletrônica desde outubro de 2020, o ministério afirma que a mesma  violava a monitoração eletrônica e interferia nos depoimentos de testemunhas. Segundo o órgão, Flordelis treinou os réus e testemunhas para os possíveis testemunhos prestados à polícia. Também é acusada de financiar a compra da arma usada no assassinato.

A ex-parlamentar  foi denunciada por arquitetar o homicídio do marido, pastor Anderson do Carmo, em 2019. Ela nega qualquer envolvimento.

 

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo