Deputados acionarão TCU sobre compra de picanha, cerveja e Skol Beats por militares

Após acionarem a Procuradoria Geral da República (PGR), deputados do PSB na Câmara devem protocolar nesta sexta-feira (12) também no Tribunal de Contas da União (TCU) um pedido de investigação de compras pelas Forças Armadas de toneladas de picanha, milhares de litros de cerveja e dezenas de latas de Skol Beats, entre outros itens para churrasco.

Os parlamentares denunciaram na terça-feira (9) o "uso de recursos com ostentação e superfaturamento" pelos militares em "churrascadas", como divulgou o Congresso em Foco.

O documento é assinado pelos deputados Elias Vaz (PSB-GO), Alessandro Molon (PSB-RJ), Aliel Machado (PSB-RJ),  Marcelo Nilo (PSB-BA), Gervásio Maia (PSB-PB), Denis Bezerra (PSB-CE), Lídice da Mata (PSB-BA), Camilo Capiberibe (PSB-AP),  Bira do Pindaré (PSB-MA) e Vilson da Fetaemg (PSB-MG), e foi movido semanas após a imprensa revelar dados sobre os gastos do governo federal com comida.

Leia a íntegra do pedido:

"Está claro que há irregularidades. Em plena pandemia, o governo federal destinou milhões para a compra de itens totalmente desnecessários e com preços abusivos”, afirma Elias Vaz.

Em um pregão eletrônico realizado em 2020 para o 38º Batalhão de Infantaria, foram adquiridas 500 garrafas da cerveja Stella Artois a R$ 9,05 cada; no mesmo certame, o batalhão adquiriu também três mil garrafas de Heineken, a R$ 9,80 cada. Já a 23ª Brigada de Infantaria de Selva foi agraciada com 3.050 garrafas de Eisenbahn, a R$5,99.

"Verifica-se que a maioria dos processos de compras desses produtos seguiu o procedimento da licitação. A Administração Pública, portanto, teve a coragem de mover a estrutura federal para conduzir certames com o objetivo de comprar grande quantidade de cerveja", argumentam os autores da representação.

Segundo o levantamento, o Comando do Exército foi o que mais comprou picanha. Os dados do Portal da Transparência mostram que o órgão adquiriu 569,2 toneladas da iguaria. A Marinha adquiriu 88 toneladas. No total, 76 processos licitatórios garantiram a compra de 714 toneladas do corte.

Em um destes leilões, para a Diretoria de Abastecimento da Marinha, o valor da picanha foi de R$ 84,14 o quilo. Segundo os deputados, foram adquiridos 13.670 quilos da carne. Em outro,62.370 kg de miolo da alcatra foram comprados por R$ 82,37 o quilo.

"A compra desse produto não é crível em tempos de crise financeira, uma vez que este não é um corte para se comer no dia a dia diante de sua especialização e preço", escrevem os autores da representação.

 > Dinheiro público bancou 700 toneladas de picanha e 80 mil cervejas para militares

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!