Barros pede acesso a documentos atualizados que o citam na CPI da Covid

O deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados, pediu que a CPI da Covid disponibilize à sua defesa os documentos atualizados colhidos pela comissão que façam menção a seu nome. Creditado pelo deputado Luís Miranda (DEM-DF) como um dos articuladores de um esquema para superfaturar a compra da vacina Covaxin, Barros é um dos principais alvos da CPI.

No dia 15 de julho, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou que o deputado tivesse acesso a qualquer dado que o envolvesse e que fosse coletado pelo Senado. Na decisão, o ministro argumentou que a atuação dos investigadores deveria pautar-se "pelo princípio do devido processo legal, abrigado na Constituição da República, no qual se encontra inserido o direito à ampla defesa".

Na ocasião, Lewandowski negou o pedido do deputado para obrigar a CPI  da Covid a marcar uma data para ouvi-lo. Barros, que alega que não está envolvido em nenhum esquema de superfaturamento na compra de vacinas, pediu para ser ouvido antes do recesso parlamentar, sem sucesso. A expectativa é que ele seja ouvido no retorno dos trabalhos da comissão, no início de agosto.


> Renan: havia disputa na Saúde entre militares e o Centrão
> Ministério da Saúde descarta reduzir intervalo para segunda dose da Pfizer

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

 

Continuar lendo