Candidato de Bolsonaro vota menos com o governo do que rival

O senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) acompanhou a posição do governo de Jair Bolsonaro em 92% das votações na Casa Legislativa. A taxa é menor que a registrada por sua rival na disputa pelo comando da Casa, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), que em 94% das vezes votou com o Planalto.

Os dados são do Radar do Congresso, plataforma de dados do Congresso em Foco, que compila as votações nominais do Senado e da Câmara. O levantamento inclui os votos dos dois anos de governo Bolsonaro.

Simone e Pacheco são os principais concorrentes à presidência do Senado. O mineiro é apadrinhado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e é candidato com o qual Bolsonaro afirmou ter simpatia em conversa com apoiadores nesta semana. Apesar disso, a candidata do MDB tem um índice de governismo maior do que seu concorrente.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Premium, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com comercial@congressoemfoco.com.br.

O senador do DEM também é apoiado pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). "Seu perfil responsável e ponderado, além do seu compromisso com as pautas essenciais para a continuidade do crescimento do Brasil, serão vitais para os próximos dois anos", escreveu o filho mais velho do presidente sobre Pacheco nas redes sociais.

Apesar de ter a candidatura endossada pelo governo, o líder do DEM também tem apoio de partidos de oposição, como PT e PDT.

Simone Tebet é presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e foi uma das principais articuladoras no Senado da aprovação de matérias do interesse do Ministério da Economia, como a reforma da Previdência em 2019.

Na terça-feira (11), quando o MDB confirmou o nome dela como candidata, foram ressaltadas as reformas econômicas como prioridade do partido, que tem como filiados dois líderes do governo: Fernando Bezerra (PE), no Senado, e Eduardo Gomes (TO), no Congresso.

Simone diz não ser oposição ao governo, mas tem procurado mostrar distância do Executivo.

"O Congresso Nacional não existiria e não teria necessidade de existir se fosse apenas para homologar qualquer projeto que venha de qualquer presidente ou de qualquer chefe do Executivo", afirmou durante o lançamento de sua candidatura.

>PDT é o nono partido da aliança de Rodrigo Pacheco no Senado

>MDB tenta unidade com Simone e vê derrota de Pacheco como “necessidade”

> Pacheco negocia presidências de comissões com PSD, PP e PT

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!