Da cadeia, Jefferson chama o STF de “organização criminosa”

O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, voltou criticar o Supremo Tribunal Federal (STF) mesmo depois de já ter sido preso, por ameaças suas feitas à corte. Da prisão, Jefferson disse que a corte brasileira estaria acima da lei e agindo de maneira "tirânica" contra conservadores. Em mais de um momento, Jefferson buscou comparar a ação do Supremo brasileiro ao da Venezuela.

A carta foi lida pela vice-presidente nacional do PTB, Gabriela Nienov, nesta sexta-feira (3), durante a edição brasileira do CPAC, evento de viés conservador originário dos Estados Unidos. Com ela, estava o empresário Otávio Fakhoury - ele próprio acusado de custear e apoiar campanhas de fake news contra a suprema corte. Ambos foram convidados a falar sobre "liberdade de expressão" no evento.

"O ativismo judicial fez da suprema corte uma milícia judicial, uma Orcrim [organização criminosa], para a prática de crimes de abuso de autoridade e de poder", dizia a carta de Jefferson, que cobrou "resistência" de sua base partidária. Em nenhum momento, Jefferson cita as manifestações de sete de setembro, apoiadas por ele e que acabaram ajudando a motivar sua prisão. Fakhoury e Gabriela indicaram que estarão na manifestação.

Condenado no caso do mensalão e um dos mais fervorosos apoiadores de Bolsonaro,  Roberto Jefferson escreveu a carta a partir do hospital da prisão de Bangu 8, onde está desde 13 de agosto. Dentre os crimes listados pelo ministro do STF Alexandre de Moraes para decretar a prisão dele estão calúnia, difamação, injúria, associação criminosa, denunciação caluniosa, além de descumprimentos passíveis de pena dentro da Lei de Segurança Nacional e do Código Eleitoral.

Há suspeita de utilização de dinheiro público do fundo partidário para promover ataques antidemocráticos nas redes sociais. Um dos vídeos com esses ataques contra o Supremo foi veiculado nas redes socais do PTB.


> Embaixada dos EUA no Brasil alerta sobre os atos no Sete de Setembro
> Alexandre de Moraes autoriza prisão de bolsonaristas antes de atos de 7/9

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo