MPF dissolve força-tarefa da Lava Jato no Paraná

O Ministério Público Federal (MPF) anunciou nesta quarta-feira (3) a dissolução da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, principal braço da operação no país. Criado em 2014, o grupo de procuradores coordenado por Deltan Dallagnol atuou na maior parte da operação no país e foi responsável pela prisão de nomes como o ex-presidente Lula, o ex-deputado cassado Eduardo Cunha e o empresário Marcelo Odebrecht.

Desde 1º de fevereiro, parte dos investigadores passaram a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Federal. Outros foram devolvidos às suas funções de origem e passam a colaborar com a operação de maneira pontual. O anúncio foi feito em comunicado na manhã de hoje pelo próprio órgão.

Segundo o MPF, a força-tarefa esteve por trás de 79 fases da operação, 1.450 mandados de busca e apreensão, 211 conduções coercitivas, 132 mandados de prisão preventiva e 163 de prisão temporária. 130 denúncias contra 533 acusados foram feitas com provas colhidas durante a operação, gerando 278 condenações de 174 pessoas, em um total de 2.611 anos de pena.

A equipe promoveu 735 pedidos de cooperação internacional – o que ajudou a aumentar o escopo da operação e permitir que outros países também promovessem investigações, como o caso do Peru.Os 209 acordos de cooperação resultaram, segundo o órgão, a devolver R$ 4,3 bilhões aos cofres públicos.

A operação – e seu braço paranaense– vinham em uma escala descendente desde 2019, com a revelação da chamada "Vaza Jato"pelo site The Intercept Brasil. O conteúdo das mensagens apresentadas pelo site, hoje confirmadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), apontam que os investigadores atuaram em conjunto com o então juiz federal Sergio Moro, e tinham objetivos políticos com a operação – inclusive o de retirar Lula das eleições de 2018.

A Lava Jato também é alvo de pressão da classe política contra seu funcionamento – pressão intensificada com o presidente Jair Bolsonaro e por seu procurador-geral da República, Augusto Aras. O MPF não se manifestou se outros braços estaduais da Lava Jato, como no Rio de Janeiro, devem ser mantidos.


> Eduardo Cunha, Cláudia Cruz e ex-vice do DF são alvos de busca e apreensão
> Analistas comentam o que esperar do Congresso em 2021. Veja vídeo

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!