Em meio a acusações de Wajngarten, Pazuello pode ganhar abrigo de Onyx

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello foi transferido da 12ª Região Militar, no Amazonas, para a Secretaria-Geral do Exército, em Brasília. A transferência foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (23).

Segundo informações do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o presidente Jair Bolsonaro prometeu ao ex-ministro um cargo para comandar a Secretaria Especial de Modernização, ligada à pasta comandada por Onyx Lorenzoni, a Secretaria-Geral da Presidência, para o qual ele deve ser nomeado em breve.

O número dois da gestão de Pazuello também foi realocado: o coronel Elcio Franco foi nomeado, também nesta sexta, para ocupar cargo como assessor especial da Assessoria Especial da Casa Civil.

As mudanças ocorrem em meio a uma publicação na Revista Veja de uma entrevista com Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação do governo Bolsonaro, que criticou a gestão de Pazuello, atribuindo a ele e à sua equipe a má gestão da pandemia e a "incompetência" e "ineficiência" na aquisição de vacinas contra a covid-19. No entanto, o ex-secretário, que é um dos cotados a depor na CPI da Covid, blindou o presidente Jair Bolsonaro. "O presidente Bolsonaro está totalmente eximido de qualquer responsabilidade sobre isso. Se as coisas não aconteceram, não foi por culpa do Planalto", afirmou.

>Governo sanciona Orçamento 2021 com vetos de R$ 20 bilhões

>STF forma maioria pela suspeição de Moro nos julgamentos de Lula

Continuar lendo