Bolsonaro mantém tom comedido sobre STF e cita ameça ao agro com o marco temporal

Em discurso no Rio Grande do Sul, neste sábado (11). o presidente da República Jair Bolsonaro voltou a falar da sua participação nas manifestações de Sete de Setembro, preservando ainda o tom mais brando que que marcou a nota divulgada na semana passada na qual fala das discordâncias com o Supremo Tribunal Federal (STF). “No dia Sete de Setembro eu fui apenas um na multidão. Tive a oportunidade de usar a palavra por duas vezes, e senti o calor da nossa população. Senti os reais motivos pelas quais esse povo foi às ruas”, declarou.

Ao evitar novos confrontos com o Supremo, Bolsonaro lembrou que a corte analisa, neste momento, a tese do marco temporal, capaz de alterar as regras de demarcação de terras destinadas aos povos tradicionais. De acordo com ele, caso o resultado seja favorável aos indígenas, o agronegócio perderá terras equivalente ao território do estado gaúcho. “Se a proposta do ministro Fachin vingar, será proposto a demarcação de novas áreas indígenas que equivalem a um sudeste todo, ou seja: o fim do agronegócio, simplesmente isso, nada mais do que isso”.

Bolsonaro disse, ainda, que na gestão dele, a função do governo é “não atrapalhar” o setor do agronegócio. As falas foram proferidas na da feira de agropecuária Expointer, onde o presidente recebeu a Medalha do Mérito Farroupilha

Ainda durante a cerimônia, o presidente voltou a se posicionar contra as medidas de restrição de circulação adotadas por governadores durante a pandemia e disse que foram cometidos erros, mas não pelo governo dele. “Algumas coisas foram feitas de forma equivocada, não pelo nosso governo, no tratamento da pandemia. Nunca apoiamos lockdown, medidas restritivas, medidas como toque de recolher, entre outros. A população tinha que trabalhar.”

> Sem estudos robustos e planejamento consistente, governo adia novamente a desestatização de Dataprev e Serpro

> Crise entre os Três Poderes atrasa pautas governistas no Congresso. Entenda

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito.
Mantenha o Congresso em Foco na frente.
JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo