Polícia Federal prende doleiro Fayed Traboulsi em Brasília

Pedido de prisão foi feito pelo MP em julho e acatado apenas nesta quinta-feira. Segundo a denúncia, Fayed é "apontado como o líder da organização criminosa" que movimentava dinheiro por meio de empresas fantasmas. Ex-policial civil do DF também foi preso preventivamente

 

 

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (17) o doleiro Fayed Antoine Traboulsi e o ex-policial civil do Distrito Federal Marcelo Toledo Watson. As ações fazem parte da Operação Miquéias, que investiga, há três anos, um esquema que teria desviado pelo menos R$ 50 milhões dos cofres públicos. De acordo com a PF, ambos foram presos preventivamente por estarem tentando obstruir as investigações.

A prisão de Fayed foi realizada a pedido do Ministério Público Federal (MPF), que em julho denunciou o doleiro e Toledo por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo o MPF, Fayed é "apontado como o líder da organização criminosa". O grupo simulava consultoria financeira a agentes públicos e usava empresas fantasmas para lavar o dinheiro desviado.

Fayed é sócio do doleiro Carlos Habib Chater, dono do Posto da Torre, em Brasília, onde começou a Operação Lava Jato. Segundo Alberto Yousseff, Fayed entregava dinheiro a políticos. A prisão do doleiro foi decretada pela 10ª Vara Federal de Brasília a pedido do Ministério Público Federal.

O escândalo começou a ser investigado em 2009, pela Polícia Civil do Distrito Federal, a partir da descoberta de indícios de movimentações financeiras milionárias em empresas fantasmas. Quatro anos mais tarde, o caso passou à esfera federal, em decorrência da constatação de que também houve a prática de crimes financeiros.

Mais sobre Brasília

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!