Novo Bolsa Família sairá depois do fim do auxílio, diz relator do orçamento

O senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator do orçamento de 2021 e da proposta de emenda à Constituição (PEC) Emergencial, confirmou ao Congresso em Foco que o governo mantém a ideia de ampliar o Bolsa Família.

De acordo com ele, ainda não há definição de valores, mas será maior que os atuais R$ 190 pagos em média pelo programa social.

"É um aperfeiçoamento do que é o Bolsa Família, você tem trabalho para isso, tem estudo para isso. Nos meses que durar o auxílio emergencial a gente avança para substituir depois por um programa novo que substitua o Bolsa Família, que começa um pouco mais robusto e mais moderno", afirmou o senador.

No início de fevereiro, o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), defendeu que a iniciativa tenha como contrapartida a participação dos beneficiários em cursos profissionalizantes e que alunos com bom desempenho escolar tenham prioridade.

O presidente Jair Bolsonaro disse nessa quinta-feira (25), durante a live semanal no Facebook, que o auxílio emergencial será de R$ 250 e deve voltar a ser pago em março e durar até junho.

“A gente conversou um pouco sobre isso [o senador e integrantes do governo], mas claro que a emergência agora, prioridade, cada dia com sua agonia, é o auxílio. Mas a ideia é que ao longo dos meses que durar o auxílio emergencial, a gente crie um novo programa. Sempre achei que era o melhor, defendia que a gente resolvesse a parada no ano passado. No ano passado você tinha um auxílio emergencial, mas sabíamos que ele ia durar até o final do mês [de dezembro] quando o governo prorrogou e a ideia é que a gente chegasse antes do final do mês e criasse o novo programa.”

O senador do MDB do Acre afirmou que a intenção de renomear o programa para Renda Brasil não deve se confirmar e o mais provável é que a iniciativa continue se chamando Bolsa Família.

“Não é porque queremos mudar o nome, pode até manter o nome. Agora eu gosto do nome que tenha alguma coisa a ver com o Brasil, programa Renda Brasil, porque é uma coisa que soa mais do país, mas tudo bem”, declarou.

> Relator evitar falar se mantém fim de piso para saúde e educação: “pergunta para o líder do governo”

Continuar lendo