Conselho da Petrobras se reúne em meio à desvalorização de R$ 102 bi

A Petrobras perdeu R$ 102,5 bilhões em valor de mercado desde a última sexta-feira (19), em meio à intervenção do presidente Jair Bolsonaro na estatal, com a troca do presidente da companhia. As ações ordinárias da empresa, aquelas que dão ao acionista o direito de votar e participar de decisões, registraram queda de 20,48% nessa segunda, cotadas a R$ 21,55. As ações preferenciais recuaram 21,51% e fecharam o dia em R$ 21,45. O valor de mercado da empresa despencou de R$ 383 bilhões, conforme o pregão da última (18), para R$ 278 bilhões. A perda acumulada no período foi de 27%.

Apenas ontem a Petrobras perdeu R$ 74,24 bilhões em valor de mercado. A depreciação começou depois que o presidente Jair Bolsonaro, durante sua live semanal de quinta-feira, criticou o comando da Petrobras e ameaçou demitir o presidente da empresa, Roberto Castello Branco, por causa das constantes altas do preço dos combustíveis. Bolsonaro disse que mudanças ocorreriam, o que fez as ações da empresa derreterem na sexta. No fim daquele dia, ele anunciou a saída de Castello Branco e a indicação, para o seu lugar, do general Joaquim Luna e Silva, que foi ministro da Defesa no governo Michel Temer. O mercado repercutiu mal a troca no comando da estatal.

O Conselho Administrativo da Petrobras deve confirmar hoje a indicação de Luna e Silva. Outros temas, como a própria política de preços, devem ser tratados. A Comissão de Valores Mobiliários abriu um processo para apurar a mudança feita por Bolsonaro, sem a participação do Conselho Administrativo, que é formado por sete indicações pelo governo federal, três representantes dos minoritários e um dos funcionários.

>Câmara discute MP das vacinas e auxílio a setor de eventos nesta semana

>Senado quer PL para que estados e municípios tenham garantias na compra de vacinas

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!