Comércio “não aguentaria” reforma proposta por Aguinaldo Ribeiro, diz Guedes

Em café da manhã com empresários nesta quinta-feira (27), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que propostas de reforma tributária como a apresentada pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) não seriam suportadas pelo comércio.

Na avaliação de Guedes, unificar cinco impostos, como propôs o paraibano na comissão mista que analisou o tema, levaria a uma alíquota muito alta, na faixa de 20% a 30%.

O conteúdo deste texto foi publicado antes no Congresso em Foco Insider, serviço exclusivo de informações sobre política e economia do Congresso em Foco. Para assinar, entre em contato com [email protected].

“Aguinaldo, parece que eu sou o político e você o teórico! ... Aí baixaram [a alíquota] para 26 [%]. É muito alto, o comércio não aguenta. Só se conseguíssemos desonerar com o imposto sobre transações”, afirmou no evento Diálogos com a Indústria. O governo federal aposta no fatiamento da reforma tributária e pretende aprová-la ainda este ano.

“Nós estamos relativamente otimistas [...] Os passos são na direção de que não vai ter susto para ninguém”, disse.

De acordo com o ministro, a Câmara deve analisar as propostas relativas a mudanças no Imposto de Renda e nos impostos federais sobre o consumo. O Senado deve ficar com os debates sobre o chamado “passaporte tributário”, que dará descontos em impostos devidos a empresas, na mesma proporção da queda de faturamento registrada pelas companhias.

>>Emenda costurada na Câmara exclui policiais da reforma administrativa

Continuar lendo